Tire suas dúvidas sobre os distúrbios do sono

A especialidade Medicina do Sono é recente a nível mundial e nacional. As pesquisas sobre o sono começaram na década de 1980. Aqui no Brasil o primeiro e único local para especialização nessa área foi criado na UNIFESP - Escola Paulista de Medicina em 1999 na cidade de São Paulo.

 

A clínica possui especialistas em doenças do sono. Esses profissionais tem como formação básica a neurologia e a otorrinolaringologia. Contudo, para atuar na área de Medicina do Sono foi necessário que esses médicos fizessem a especialização na UNIFESP. Portanto em 2001 eles receberam o certificado de conclusão do curso como especialistas em Medicina do Sono e estão aptos a exercer essas atividade.

 

É importante lembrar que além dos profissionais estarem habilitados pela Sociedade de Medicina do Sono, a clínica com seus equipamentos e espaço físico recebeu fiscalização dessa referida sociedade, que forneceu também um certificado de habilitação para funcionamento e execução da Polisonografia.

A clínica conta também com profissionais e recursos técnicos para avaliação, diagnóstico e tratamento das perdas auditivas. Incluindo também a cirúrgia de Implante Coclear.

1.Ritmo Circadiano - Nobel de 2017

 Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

Ritmos da vida. O relógio biológico está envolvido com diversos aspectos da complexa fisiologia dos seres vivos. Todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos, utilizam esse tipo de mecanismo para controlar os ritmos circadianos. Uma grande proporção dos genes humanos é regulada pelo relógio biológico e, consequentemente, um ritmo circadiano cuidadosamente calibrado adapta nossa fisiologia a diferentes fases do dia.

"Desde as descobertas seminais dos três laureados, a biologia circadiana se desenvolveu em um vasto e altamente dinâmico campo de pesquisas, com complicações para nossa saúde e bem estar", disse o comitê do Nobel. Com precisão impressionante, o relógio interno adapta a fisiologia das pessoas às fases radicalmente diferentes do dia. O relógio regula funcões fundamentais como o comportamento, os níveis de hormônios, o sono, a temperatura corporal e o metabolismo.

Gene e proteínas. Utilizando moscas de fruta como organismo modelo, os ganhadores do Nobel isolaram um gene único que controla o ritmo diário normal do organismo. De acordo com o comitê do Nobel, eles mostraram que esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e depois é degradada durante o dia.

Mais tarde, eles identificaram mais componentes de proteínas envolvidos com esse circuito, expondo o mecanismo que regula o relógio auto-sustentável que existe no interior de cada célula. Com isso foi possível reconhecer que os relógios biológicos funcionam pelos mesmos princípios nas células de todos os organismos multicelulares, incluindo os humanos.

O bem estar humano é afetado quando há um descompasso temporário entre o ambiente externo e esse relógio biológico interno. Um bom exemplo é o "jet lag", o mal estar causado por uma viagem, quando uma pessoa cruza de avião vários fusos horários. Há também indicações de que um desalinhamento entre o estilo de vida e o ritmo ditado pelo relógio interno está associado ao aumento de risco para várias doenças.Os vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2017 são os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young, por suas descobertas sobre os mecanismos moleculares que controlam os ritmos circadianos - uma espécie de relógio biológico interno que regula o metabolismo dos seres vivos possuem. As descobertas feitas pelo trio explicam como as plantas, animais e humanos adaptam seus ritmos biológicos de maneira que eles fiquem sincronizados com a rotação da Terra. 

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 2, pela organização que concede o prêmio, o Instituto Karolinska, na Suécia. Os três laureados nasceram e trabalham nos Estados Unidos. Hall nasceu em Nova York em 1945 e é professor da Universidade do Maine. Rosbach nasceu em Kansas City em 1944 e é professor da Universidade Brandeis. Young nasceu em 1949, em Miami, e atua na Universidade Rockefeller, em Nova York.

O Instituto Karolinska anunciou em setembro um reajuste de 12% no valor dos prêmios Nobel, que permanecia o mesmo desde 2012: 8 milhões de cooras suecas, o equivalente a cerca de US$ 981 mil, ou R$ 3,1 milhões. Os vencedores de 2017 receberão 9 milhões de coroas, o que significa US$ 1,1 milhão, ou cerca de R$ 3,5 milhões. Cada um dos vencedores do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina receberá um terço do prêmio.

A premiação foi divulgada em Estocolmo por volta das 11h30 (6h30 na hora de Brasília). Rosbash recebeu a notícia sobre o prêmio às 5 horas da manhã, no horário da Califórnia, de acordo com a agência de notícias sueca TT. "Ainda estou chocado. Estou aqui sentado de pijamas com a minha mulher. Eu não tinha nem pensado sobre isso. Não falei com meus colegas ainda. Não tive tempo nem de tomar uma xícara de café", afirmou Rosbach, provavelmente com seu relógio biológico ainda afetado pelo telefonema matutino.

2.Qualidade do sono

3.Equilíbrio e Tontura

4.Zumbido

5.Deficiência Auditiva

6.Ronco

7.Apnéia

8.Insônia

9.Outros distúrbios do sono

Localização

Rua Albino Tambara, 5- 18 | Vila Universitária
Bauru -SP | CEP 17012-470

Contato

Fones: 14 3223.5303 | 3223.7160
Secretaria: das 9h às 19h | Consultas: das 10h às 20h